Em uma entrevista à AFP, Ahmed bin Mubarak disse que os mediadores de Omã fizeram progressos em seus esforços para negociar um cessar-fogo, mas solicitou à Europa que mantivesse a pressão sobre os rebeldes.

Bin Mubarak sugeriu que o Irã, a favor dos huthis, apoiou os ataques recentes e afirmou que Teerã deseja usar o Iêmen como moeda de troca para manter a influência nas negociações de política nuclear em Viena.

"Há muita esperança no Iêmen e também desafios", acrescentou a autoridade de 52 anos, que é ministro das Relações Exteriores no governo do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi desde dezembro de 2020.

O Iêmen foi devastado por uma guerra civil entre o governo, que recebe auxílio de uma coalizão liderada pela Arábia Saudita, e os huthis, apoiados pelo Irã desde 2014, em um conflito que deixou milhões de civis à beira da fome.

No sábado, autoridades de Omã e delegados huthis viajarão para a capital controlada pelos rebeldes, Sanaa, para tentar pressionar por um cessar-fogo. Omã tem vínculos com o Irã e o Ocidente, e atua como mediador.

O governo de Hadi é apoiado por uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, que na quinta-feira anunciou que interrompeu os ataques a alvos huthis para abrir caminho para negociações de cessar-fogo.

Os enviados da ONU e dos Estados Unidos ao Iêmen, Martin Griffiths e Tim Lenderking, junto ao ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, se reuniram com os omanis, e os observadores percebem uma possível abertura diplomática.

Mas bin Mubarak, que está na Europa para pressionar por uma linha firme contra os huthis de forma a responsabilizá-los, afirmou que os rebeldes desprezaram o esforço diplomático.

"Os omanis estão desempenhando um papel vital (...) Por esse motivo, acho que eles enviaram sua delegação a Sana para discutir com os líderes políticos huthis", afirmou à AFP.

No entanto, o chefe da diplomacia iemenita acrescentou: "Não recebemos nenhuma resposta deles. As únicas respostas que recebemos foram apenas dois ataques brutais ocorridos ontem e anteontem".

De acordo com o governo, em ataques recentes, mísseis huthis e drones carregados com explosivos atingiram alvos civis, incluindo um posto de combustível e um centro de detenção de mulheres.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.