"Uma em cada três pessoas no Líbano é refugiada, ou migrante. Um terço da população corre o risco de ser esquecida no plano de vacinação", disse a pesquisadora do HRW, Nadia Hardman.

"O governo precisa investir em medidas específicas para ganhar a confiança das comunidades marginalizadas, ou os esforços de vacinação da covid-19 estão condenados ao fracasso", acrescentou.

Em fevereiro, o Líbano iniciou sua campanha de imunização em massa. O ministro da Saúde, Hamad Hassan, disse que cobriria todos os residentes no país, não importando a nacionalidade.

A meta é vacinar 80% da população até o final do ano, mas o processo avança lentamente.

Em 5 de abril, apenas 233.934 doses foram administradas, sobretudo devido à falta de imunizadores, disse a HRW.

"Apenas 2,86% dos vacinados e 5,36% dos que estão registrados para receber a vacina são não libaneses", completou.

De acordo com a organização, mais de 19.900 refugiados palestinos e trabalhadores de saúde e 6.701 refugiados sírios têm direito à primeira fase de vacinação.

Mais de 1,5 milhão de sírios vivem no Líbano, dos quais quase um milhão está registrado como refugiados.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.