"Qualquer pessoa que negocie um resgate com os sequestradores será processada e castigada", disse o ministro local do Interior do estado de Kaduna, Samuel Aruwan.

Ele desmentiu os rumores que circulam na mídia local, que afirmam que o governo nomeou representantes para conversarem com os sequestradores.

"O governo de Kaduna quer deixar claro que nenhum intermediário foi nomeado", escreveu Aruwan.

Em 11 março, homens armados atacaram o internato de uma escola na periferia da capital do estado, para tentar um novo sequestro de estudantes.

O Exército conseguiu resgatar cerca de 180 estudantes de ambos os sexos. No entanto, outros 39 - 23 mulheres e 16 homens - permanecem reféns.

Os sequestradores publicaram vídeos nos quais são vistos açoitando as vítimas e pedem resgate.

Nesta segunda-feira, os pais dos estudantes sequestrados reagiram ao comunicado governamental e denunciaram "insensibilidade" e crueldade" por parte do governo.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.