Com um total de 800.099 mortos (25,3 milhões de casos), a América Latina é a segunda região mais afetada pelo coronavírus, atrás da Europa no número de óbitos (974.318), segundo um balanço da AFP com base em fontes oficiais.

O Brasil é o país mais afetado da região, com mais de 332.000 vítimas fatais, sendo superado apenas pelos Estados Unidos (555.000) no mundo em número de óbitos.

O México aparece em seguida, com 204.399 morte, mas um estudo das autoridades sobre o excesso de mortalidade no ano passado, até o início de fevereiro, apontou que mais de 294.000 pessoas teriam morrido de covid-19 no país.

A Colômbia acumula 64.293 mortes, seguida pela Argentina (56.471) e Peru (53.138).

Os cinco países representam quase 89% das mortes na região.

Em todo mundo, o coronavírus provocou mais de 2,8 milhões de mortes e infectou 131,7 milhões.

- "Vínculo" com a trombose -

A vacinação, que parece a única forma de acabar com a pandemia, avança de forma díspar e por um caminho repleto de obstáculos.

O imunizante do laboratório anglo-sueco AstraZeneca permanece no centro da polêmica por sua possível relação com coágulos sanguíneos graves.

Nesta terça-feira, uma fonte da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) confirmou "um vínculo" entre este fármaco e casos de trombose registrados entre pessoas que receberam a vacina.

"Agora podemos afirmar, está claro que há um vínculo com a vacina, que provoca esta reação. Mas ainda não sabemos por quê (...) Em resumo, nas próximas horas vamos declarar que existe um vínculo, mas ainda temos que entender por quê acontecer", disse Marco Cavaleri, diretor de estratégia de vacinas da EMA, ao jornal italiano Il Messaggero.

A EMA, porém, declarou poucas horas depois que continua avaliando se a vacina da AstraZeneca contra o coronavírus tem relação com a formação de coágulos sanguíneos.

Em nota à AFP, o comitê de segurança da agência afirma "ainda não ter chegado a uma conclusão e o exame está em curso". O comunicado acrescenta que uma decisão a esse respeito deve ser anunciada na quarta-feira ou quinta-feira.

Há alguns dias, a agência afirmou que "não se demonstrou um vínculo causal com a vacina" e que "não há provas que apoiem a restrição do uso desta vacina em nenhuma população"

Como precaução, vários países determinaram a aplicação desta vacina a algumas faixas etárias, como França, Alemanha e Canadá.

Os temores aumentam as dificuldades na distribuição do imunizante por todo o planeta.

O governo dos Estados Unidos, que na semana passada anunciou ter superado a marca de 100 milhões de pessoas que receberam a primeira dose, prometeu na segunda-feira uma ajuda internacional maior em termos de vacinas contra a covid.

Ao mesmo tempo, o aumento dos contágios em vários países provocam o aumento dos confinamentos e das restrições.

Na Colômbia quase oito milhões de habitantes de Bogotá ficarão sob confinamento estrito a partir do próximo sábado.

"A terceira onda de contágio já começou, um terceiro pico vai acontecer, mas depende do nosso comportamento (...) para que possamos controlar seus efeitos muito negativos", advertiu a prefeita Claudia López.

No Chile, que enfrenta uma aceleração dos casos, que acontece ao mesmo tempo que o rápido avanço do processo de vacinação, o Senado aprovou o adiamento por cinco semanas da eleição de prefeitos e constituintes prevista para o próximo fim de semana.

A Argentina também registrou um recorde de contágios em nas últimas 24 horas.

Outros países, no entanto, aliviados com o progresso da vacinação, decidiram flexibilizar as restrições.

Este é o caso do Reino Unido, que anunciou a reabertura em 12 de abril na Inglaterra de comércios não essenciais, mas recusou autorizar novamente as viagens.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.