A maratona de negociações prosseguiu durante a noite entre as equipes dos principais dirigentes de esquerda, centro e de parte da direita, incluindo o Yamina, partido do líder da extrema direita Naftali Bennett, que pode assumir o posto de primeiro-ministro em um sistema de rodízio no poder.

Nesta terça-feira à tarde está programada uma reunião dos principais nomes da provável coalizão no gabinete do líder da oposição Yair Lapid, "em um esforço para alcançar um acordo", informou o partido Yamina em um comunicado.

Após as eleições legislativas de março e o fracasso de Netanyahu para formar uma coalizão, o presidente Reuven Rivlin designou a tarefa ao centrista Lapid. O ex-astro de televisão tem até quarta-feira à 23H59 (17H59 de Brasília) para apresentar seu projeto de "governo de união nacional", que permitiria retirar o país de dois anos de crise política.

Até o fim do prazo, os partidos precisam deixar de lado as divisões e superar as pretensões ministeriais de todas as bancadas, especialmente as pastas da Defesa e Justiça.

"Até a formação do governo ainda restam muitos obstáculos", declarou Lapid, com prudente otimismo.

"É nosso primeiro teste para ver se conseguimos encontrar compromissos inteligentes e alcançar nosso objetivo mais importante", afirmou na segunda-feira. "Em uma semana, Israel pode entrar em uma nova era", completou.

Quase tudo, da situação dos palestinos à recuperação econômica, passando pelo espaço da religião, divide esta aliança peculiar, exceto a vontade de afastar Netanyahu, o primeiro-ministro que mais tempo permaneceu no cargo na história de Israel.

Lapid tem o apoio de 57 deputados, de esquerda, centro e de dois partidos de direita, além do Yamina. Para os quatro que faltam, ele busca um acordo com os partidos árabes israelenses, que deveriam dar seu respaldo sem buscar postos ministeriais.

- Prolongar a votação -

A criação desta coalizão representaria o fim da era Netanyahu, que está no poder desde 2009 e que também foi primeiro-ministro de 1996 a 1999.

Julgado por "corrupção" em três casos, ele é o primeiro chefe de Governo israelense que enfrenta processos penais durante seu mandato. E as ações podem afetá-lo se perder a imunidade atribuída por lei, na condição de primeiro-ministro.

Caso Lapid apresente seu acordo na quarta-feira à noite, ele terá sete dias para dividir os ministérios e conquistar o voto de confiança no Parlamento.

Mas tudo é possível. Netanyahu, seu partido Likud e seus advogados tentam dividir o bloco de oposição e provocar o fracasso da tentativa de coalizão.

De acordo com a imprensa israelense, o presidente do Parlamento, Yariv Levin (do Likud), poderia prolongar o prazo do voto de confiança legislativo, com a ideia de obter abandonos do campo anti-Netanyahu.

Em outra iniciativa para obstruir as negociações, advogados do Likud recorreram à presidência de Israel para questionar a constitucionalidade do projeto de rodízio em postos cruciais do governo esboçado por Lapid.

Em um texto ao qual a AFP teve acesso, a presidência resolveu a questão legal em menos de uma hora, ao recordar que Bennett poderia ser o primeiro a iniciar o sistema de alternância à frente do governo.

Nestas circunstâncias que precedem a assinatura de um acordo denunciado como uma "traição" pelos simpatizantes de Netanyahu, as medidas de segurança ao redor de Bennett e Lapid foram reforçadas, confirmaram seus partidos à AFP.

As manifestações de oposição aumentaram e Netanyahu chamou o lado adversário de "perigo para a segurança de Israel". Em clima tenso, analistas temem um cenário parecido ao de 1995, quando um extremista judeu assassinou o primeiro-ministro Yitzhak Rabin.

Se o campo anti-Netanyahu não conseguir formar um governo, os deputados podem pedir ao presidente que designe um novo parlamentar para a tarefa.

Se esta opção também fracassar, os israelenses terão que voltar às urnas pela quinta vez em dois anos.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.