Após as operações na manhã de quinta-feira para localizar os mineiros bloqueados, os serviços de emergência anunciaram durante a tarde a suspensão temporária dos trabalhos por causa de um risco de explosão.

O governador da região de Kemerovo, Sergei Tsivilev, afirmou que no momento do acidente 285 pessoas estavam na mina de Listvyazhnaya, na cidade de Gramoteino.

A região siberiana de Kemerovo tem várias minas de carvão.

No total, 46 mineiros ficaram presos dentro da mina após o acidente, de acordo com as autoridades. Destes, 11 foram encontrados mortos, informaram ao longo da noite.

Em uma versão anterior, as autoridades haviam dito que o acidente deixou 11 mortos e 46 pessoas desaparecidas.

"Trinta e cinco, cujos nomes conhecemos, ainda estão soterrados (...) 11 pessoas morreram", explicou o governador local à estação de televisão russa Rossia 1.

Além disso, 43 pessoas foram hospitalizadas e quatro estão em estado grave, de acordo com as autoridades.

As autoridades não divulgaram informações sobre as causas do acidente.

O ministério russo de Emergências afirmou que 237 trabalhadores foram retirados e que pelo menos 45 pessoas ficaram feridas. De acordo com algumas fontes, vários foram intoxicados pela fumaça.

A polícia local afirmou que a fumaça começou a ser observada na mina às 8H35 locais (22H35 de Brasília, quarta-feira).

Um canal de televisão público exibiu imagens das equipes de resgate e da polícia durante a manhã na área da mina, dominada pela neve, antes do anúncio da suspensão temporária dos trabalhos.

O presidente russo Vladimir Putin expressou "profundas condolências às famílias dos mineiros mortos", afirmou o porta-voz Dmitri Peskov.

- Longa lista de acidentes -

Uma investigação por "violação das normas de segurança" foi iniciada.

A mina, que começou a operar em 1956, registrou um acidente em outubro de 2004, quando uma explosão de metano deixou 13 mortos. Em 1981, outra explosão matou cinco pessoas.

Os acidentes em minas da Rússia, assim como em outras regiões da ex-União Soviética, frequentemente são relacionados à falta de respeito às normas segurança, má gestão ou deterioração das instalações.

O acidente mais grave dos últimos anos deixou 91 mortos e mais de 100 feridos em maio de 2010 na mina Raspadskaya, também na região de Kemerovo, que tem muitas reservas de carvão.

Em outubro de 2019, um acidente em uma represa ilegal de uma mina de ouro na Sibéria deixou 17 mortos. Em agosto de 2017, oito trabalhadores desapareceram após uma inundação em uma mina de diamantes na Sibéria explorada pelo grupo russo Alrosa, maior produtor mundial.

A empresa suspendeu os trabalhos de resgate após três semanas de busca pelos desaparecidos.

Além das perdas humanos, geralmente trágicas, alguns acidentes revelam as práticas da indústria russa, com prioridade para a exploração sobre questões ambientais.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.