Filho mais velho do rei Hussein e de uma cidadã britânica, Antoinette Gardiner, que se tornou a princesa Muna, ele ascendeu ao trono com a morte de seu pai em junho de 1999, poucas semanas depois de ser nomeado príncipe herdeiro.

Na época, com 37 anos, esse ex-residente da Academia Britânica de Sandhurst tinha uma carreira militar ilustre. "Ele amava esta vida e foi quase com pesar que a abandonou para se tornar rei", diz uma pessoa que o conheceu bem.

Anos depois, o rei Abdullah II admitiu que nada o preparou para liderar um Estado em um ambiente tão conturbado, com o Iraque, a Síria e o conflito israelense-palestino em sua porta.

"Não foi nada parecido com o que pensei que encontraria", disse ele a um jornalista britânico, referindo-se a um mergulho repentino "no fundo do poço".

Mas se, desde 1999, as ameaças externas se multiplicaram, como a invasão americana do Iraque ou a guerra na Síria, é uma crise dentro do próprio sistema monárquico que o soberano hachemita enfrenta hoje com a prisão domiciliar de seu meio-irmão Hamza, em meio a rumores de uma tentativa de desestabilização do trono.

- Paraquedista e piloto -

Aos 59 anos, Abdullah II, 41º descendente direto do profeta Maomé de acordo com a genealogia oficial, nasceu em 30 de janeiro de 1962 em Amã.

Quando criança, ele foi para a escola em Amã, depois na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Mas era o uniforme militar que o atraía.

Depois de se formar na academia Sandhurst em 1980, ele até serviu no Exército Britânico na Alemanha.

De volta à Jordânia, ocupou vários cargos, tirou seu certificado de paraquedista, tornou-se comandante de tanque e aprendeu a pilotar helicópteros, antes de comandar as forças especiais.

Em 1993, ele se casou com Rania al-Yassin, de origem palestina e que trabalhava no departamento de marketing da Apple.

Em 1995, o príncipe fez uma aparição na série americana Star Trek, da qual é fã.

Quatro filhos nasceram dessa união, incluindo o mais velho Hussein, que herdou o título de príncipe herdeiro em 2004 às custas do príncipe Hamza, filho da rainha Noor, quarta e última esposa do rei Hussein.

Na época em que Abdullah II foi empossado em 9 de junho de 1999, depois de mais de quatro décadas do reinado de Hussein, muitos duvidaram de sua capacidade de liderar a frágil embarcação monárquica.

- Desafios -

Em 2003, o rei se opôs à intervenção americana no Iraque, que abalou a região e deu origem a uma das organizações jihadistas mais temíveis, o grupo Estado Islâmico (EI), que também atuou na Jordânia em meados da década de 2010.

Nesse ínterim, em 2011, Abdullah II conseguiu evitar que a Primavera Árabe arrasasse o reino - ele chamou o que aconteceu em seu país de "uma primavera civilizada".

Outro axioma do rei: impedir a todo custo que seu país se transformasse em pátria substituto para os palestinos, como deseja a ultradireita israelense em particular.

Aliado do Ocidente, Abdullah II manteve excelentes relações com o presidente dos Estados Unidos Barack Obama. Mas teve que se impor sob Donald Trump, apoiando o princípio do direito dos palestinos de ter um Estado com Jerusalém como sua capital e na defesa de suas prerrogativas em lugares sagrados.

Abdullah II também teve que lidar com a chegada maciça de refugiados sírios (7.700.000 oficialmente registrados, mas as autoridades falam de 1,3 milhão), depois de receber dezenas de milhares de iraquianos que fugiram da guerra civil e do terror do EI no Iraque.

No plano econômico, assim que assumiu o trono, lançou um grande programa de liberalização para atrair investimentos em um país desprovido de hidrocarbonetos.

Em 2012, aboliu os subsídios aos produtos petrolíferos.

Confrontado com movimentos de protesto, Abdullah II foi capaz de superá-los todas as vezes nos últimos anos por meio de reformas políticas, ao mesmo tempo que atraiu críticas de ONGs sobre abusos de direitos humanos.

sk/gk/hj/mr

APPLE INC.

Os conteúdos mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Brasil e fique por dentro.

Siga-nos na sua rede favorita.